Tirar um boa foto não envolve ter o melhor equipamento, a melhor câmera, a melhor lente, muitas vezes você nem precisa ser o melhor fotografo para isso.  Fotografias quando são capturadas no momento certo, passam a se tornar referencias históricas, marcando épocas e os mais diversos momentos pelos quais o mundo já passou! Algumas fotos fizeram tanto sucesso que mesmo com o passar do tempo podem ser reconhecidas em todo o mundo. Abaixo iremos saber mais a respeito de algumas das fotografias mais famosos do mundo.

 


Phan Thị Kim Phúc (1972)

phan-yhi-kim-phuc-ataque-vietna

 

Talvez esta seja uma das fotografias de guerra mais famosas de todo mundo, a foto da garotinha Kin Phúc de apenas 9 anos  correndo em uma estrada , após um ataque aéreo realizado contra o  Vietnã comoveu o mundo.

Para sobreviver, Kin precisou tiras suas roupas que estavam em chamas.

Esta foto foi tirada pelo fotográfo Huynh Cong Ut em 8 de junho de 1972, e acabou ganhando o Prêmio Pulitzer  de Reportagem Fotográfica em 1973.

Hoje Kin Phúc se tornou uma embaixadora da Boa Vontade da UNESCO e reside no Canadá junto de seus dois filhos.

 


 O Beijo da Times Square (1945)

beijo-times-square-final-segunda-guerra-mundial

 

A famosa fotografia foi feita durante o anúncio final da II Guerra Mundial em comemoração a rendição do Japão, em 14 de agosto de 1945.

O Fotográfo Alfre Eisenstaedt fez o registro de um marinheiro beijando uma enfermeira no meio da Times Square.

O curioso é que o casal não se conhecia. O marinheiro, George Mendonsa beijou a enfermeira Greta Zimmer na euforia do momento. Especula-se que o marinheiro estaria bêbado no momento da comemoração.

No dia 08 de setembro de 2016, a enfermeira morreu, aos 92 anos em decorrência de uma pneumonia.

George, que atualmente tem 93 anos, vive em Rhode Island, nos Estados Unidos.

 


A MENINA AFEGÃ (1984)

a-menina-afega-afghan-girl-gula

 

Está foto retrata uma menina chamada Gula, que perdeu os seus pais durante um bombardeio soviético ao Afeganistão. Enquanto ela estava no campo de refugiados Nasir Bagh, no Paquistão, em 1984, ela foi fotografada pelo fotógrafo Steve McCurry. Gula, então com 12 anos de idade, era uma das estudantes em uma escola dentro de um campo de refugiados. McCurry tirou a foto quando a encontrou sem burcas , dada a rara oportunidade de fotografar o rosto de mulheres afegãs (a lei afegã obrigava as mulheres a usarem a burca).

Embora seu nome não fosse conhecido, sua foto, nomeada Afghan Girl (Menina afegã), apareceu na capa da revista National Geographic, edição de junho de 1985. A imagem de seu rosto, com um tecido enrolando sua cabeça, e seus olhos verdes olhando diretamente para a câmera fotográfica, tornou-se um símbolo do conflito entre afegãos e da situação dos refugiados por todo o mundo. A foto de Gula foi nomeada como a fotografia mais reconhecida na história da revista.

Ela nunca havia sido fotografada, anterior ou posteriormente. No final da década de 90, Gula casou-se, e teve quatro filhas, sendo que uma delas morreu quando  ainda era um bebê. Gula não tinha a menor ideia do impacto causado pela sua foto nas sociedades ocidentais.

A história de Sharbat Gula foi mostrada na edição de abril de 2002. Ela também foi o principal tema de um documentário de televisão, que foi ao ar em março de 2002. Em reconhecimento a Gula, a National Geographic criou um fundo de caridade, com o objetivo de beneficiar as mulheres afegãs.

 


AUTOIMOLAÇÃO (1963)

thich-quang-duc-auto-imolacao-monge-ateia-fogo

 

Esta sem dúvida nenhuma é uma das fotografias mais chocantes já feitas, a qual retrata um monge budista em chamas na cidade de Saigon no Vietnã. A imagem se tornou um símbolo de resistência à guerra na Ásia. O monge budista Thích Quảng Ðức ateou fogo em seu próprio corpo, no dia 11 de junho de 1963.

Durante seu suicídio o monge foi fotografado por Malcolm Browne, e sua foto viria a ser premiada com os prêmios Pulitzer e Foto do Ano da World Press Photo. O repórter David Halberstam também recebeu um Pulitzer por sua reportagem escrita do ocorrido.

No Vietnã (que naquela época estava em guerra contra os EUA e parte da Ásia) e posteriormente no mundo todo, ele é considerado um Bodhisattva, uma vez que mesmo tendo sido queimado e posteriormente re-cremado, seu coração permaneceu intacto. Isso aumentou o impacto de sua morte mundialmente, tornando-o um verdadeiro mártir.

 


MASSACRE DA PRAÇA DA PAZ CELESTIAL (1989)

massacre-praca-paz-celestial-parando-tanques-bloqueio-de-tanque

 

Esta é a imagem mais famosa da revolta estudantil chinesa, onde um jovem, desarmado, faz uma fileira de tanques de guerra parar no protesto na Praça da Paz Celestial, em Pequim no dia 5 de junho de 1989.

Até hoje a identidade do jovem responsável por uma das fotografias mais marcantes da história é desconhecida. Ele ficou conhecido mundialmente como  “O Rebelde Desconhecido” ou “O homem dos Tanques” .

A fotografia foi tirada por Jeff Widener da Associated Press, da sacada do Beijing Hotel, a cerca de 800 metros da cena. Widener estava machucado e gripado na ocasião. Embora ele tivesse achado que suas fotografias não tivessem sido boas, as imagens foram rapidamente reproduzidas pelo mundo.

 As fotos e a filmagem do homem se posicionando em pé, parado e sozinho em frente à coluna de tanques alcançou audiência internacional quase instantaneamente. Foi capa dos principais jornais e revistas e a principal matéria de incontáveis jornais ao redor do mundo. Em Abril de 1998, a revista Time incluiu “O Rebelde Desconhecido” na lista das 100 pessoas mais influentes do século.

 


A CRIANÇA E O ABUTRE (1993)

crianca-abutre-kevin-carter-fome-na-africa

 

A foto feita pelo fotógrafo Sul-Africano Kevin Cartner virou um ícone da luta contra a fome na África.

A fotografia foi tirada em 1993, no Sudão, ma comunidade de Ayod,no sul do país africano. A criança desnutrida da imagem morreu 4 anos após a captura da imagem.

O fotografo foi bastante julgado pela opinião pública. Muitos consideraram que Kevin teria agido friamente e preferido tirar a foto do que salvar a criança.

Em 26 de março de 1993, quando publicada pelo The New York Times, a foto ganhou repercussão mundial, sendo replicada em diversos veículos. Em 1994 a foto foi a vencedora do Pulitzer.

O fotografo Kevin Carter cometeu suicídio em 1994. Acredita-se que os horrores da fome e miséria da África tenham contribuído para ele entrar em uma depressão profunda.

 


Os Beatles atravessando a Abbey Road (1969)

beatles-atravessando-a-rua

 

Uma das fotografias mais famosas da história foi feita no dia 8 de agosto de 1969. A fotografia que imortalizou o fotógrafo escocês Iain Macmillan foi tirada do lado de fora dos estúdios Abbey Road, em Londres. Foram feitas seis fotos. Reza a lenda que o fotógrafo só teve dez minutos para clicar os músicos atravessando a faixa de pedestres da famosa rua londrina. Lennon teria dito: “Vamos tirar logo essa foto e sair daqui, deveríamos estar gravando o disco e não posando pra fotos idiotas”. McCartney aparece de pés descalços na fotografia, fato que alimentou a lenda de que ele estaria morto, vítima de um acidente de carro três anos antes.

 


Einstein mostrando a língua (1951)

einstein-mostrando-a-lingua

Entre os biógrafos do gênio, não há um consenso. Há quem afirme que o fotógrafo Arthur Sasse, autor da imagem, teria pedido que Einstein sorrisse, no dia da comemoração do seu 72º aniversário. O gênio, irritado com a perseguição da imprensa, teria se virado e mostrado a língua rapidamente. O fotógrafo, esperto, teria aproveitado a oportunidade para entrar na história.

Há quem vá mais longe e defenda que a fotografia estaria relacionada a uma campanha anti-bomba atômica realizada durante a segunda Guerra Mundial. Segundo esta teoria, o físico pedia que as pessoas encaminhassem cartas ao governo alemão solicitando o fim dos planejamentos nucleares. Sua língua seria emprestada para “selar” as correspondências.

No livro Einstein, o reformulador do universo, o jornalista Cássio Leite Vieira afirma que o cara gostava tanto da imagem que a autografava e enviava a amigos.

 


Che Guevara “Guerrilheiro Heróico” (1960)

che-guevara-guerrillero-heroico-guerrilheiro-heroico

 

 

O famoso retrato de Che Guevara, intitulado Guerrillero heroico (em português: Guerrilheiro heroico), foi tirado por Alberto Korda em 5 de março de 1960 em Havana, Cuba durante um  memorial dedicado às vítimas da explosão de La Coubre. A fotografia só foi publicada internacionalmente sete anos depois de ter sido tirada. De acordo com Korda, Guevara demonstrava “imobilidade absoluta”, “raiva” e “dor” no momento em que a fotografia foi tirada. Anos mais tarde, Korda declarou que seu retrato capturou todo “caráter, firmeza, estoicismo e determinação” que Guevara possuía. Guevara tinha 31 anos quando a fotografia foi tirada.

De acordo com o Instituto-Faculdade de Arte de Maryland (Maryland Institute College of Art), o retrato de Guevara é “a mais famosa fotografia do mundo e um símbolo do século XX”. O Victoria and Albert Museum declarou ser “a imagem mais reproduzida da história da fotografia”. Jonathan Green, diretor do Museu de Fotografia da Universidade da Califórnia em Riverside, afirma que “a imagem de Korda insinuou-se na linguagem por todo o mundo. Se transformou num símbolo alfa-numérico, num hieróglifo, um símbolo instantâneo. Ela reaparece misteriosamente sempre que há um conflito. Não há nada na história usado desse jeito”.

 


Almoçando no Arranha céu (1932)

almocando-no-arranha-ceus-new-york

 

A imagem intitulada de “Almoçando noarranha-céu”,  foi considerada uma das mais icônicas do século XX,  feita em 20 de setembro de 1932, a fotografia mostra trabalhadores almoçando casualmente, sem segurança aparente, no topo dos 69 andares do RCA Building no complexo do Rockefeller Center, no centro de Nova York.

Feita por Charles C. Ebbets durante a construção do edifício, que desde 1986 passou a se chamar GE Building, a imagem levantou suspeitas de montagem desde sua publicação no jornal “New York Herald Tribune” em 2 de outubro de 1932, devido ao claro risco em que os operários se encontram.

A agência de imagens Corbis é a dona do negativo de vidro usado para as reproduções da imagem, e a mantém em uma base subterrânea chamada de Iron Mountain (‘Montanha de Ferro’) na Pensilvânia, EUA, junto com outras inúmeras fotos históricas.

O periódico britânico “The Telegraph” visitou o local e entrevistou o diretor de fotografia histórica da Corbis, que concordou em analisar o negativo.

Na reportagem em vídeo, Ken Johnston observou detalhes do negativo de vidro, quebrado em quatro pedaços desde 1996, e diz acreditar que se trata de fato do negativo usado na tomada da foto  e não de um negativo posterior feito após uma montagem.

 

 


 

 

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Rebelde_Desconhecido

https://pt.wikipedia.org/wiki/Protesto_na_Pra%C3%A7a_da_Paz_Celestial_em_1989

https://pt.wikipedia.org/wiki/Th%C3%ADch_Qu%E1%BA%A3ng_%C4%90%E1%BB%A9c

https://pt.wikipedia.org/wiki/Phan_Th%E1%BB%8B_Kim_Ph%C3%BAc

http://carloslula.com/as-10-fotos-mais-famosas-do-mundo/

http://www.mundointrigante.com.br/fotografias-mais-famosas-historia

http://g1.globo.com/fotos/noticia/2012/09/imagem-de-almoco-de-operarios-em-arranha-ceu-de-ny-completa-80-anos.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerrilheiro_Heroico

http://super.abril.com.br/blogs/historia-sem-fim/historia-foto-famosa-albert-einstein-mostrando-lingua/

Em que situação foi tirada a clássica foto de Albert Einstein com a língua de fora?